Páginas

domingo, 4 de novembro de 2007

Vivi como se fosse o último minuto e não morri

Para falar a verdade,
Eu não consigo agir naturalmente contigo, talvez porque não seja natural a provocação. Talvez porque eu não sei guardar segredos. E também por ainda não saber pular na vida como ela merece.

Mas nada disso importa quando se tem vontade de abrir os braços e cantar a música que eu não sei a letra. Neste momento, ou naquele, escuto a música e vejo que estes meus últimos minutos são donos de um coração vivo e intenso. Nossa, muito intenso! É quando prefiro gritar a dor de ser um humano cheio de criança dentro.

A vida real que não consigo viver se mostra na minha fantástica impulsão, formosa paixão, sabedoria de não saber. Quero guardar os próximos segredos para mim. Quero te contar para sempre que sinto vontade de estar abraçada e girar, me derretendo na dança, sentindo que a natureza é necessária, ouvindo a voz da arte que torna perfeito qualquer momento.

Quero me entregar por um minuto apenas para aquilo que tenho vontade. Para aquele que por um instante eu quis dividir minhas loucuras e desejos de acordar feliz.
Vivi um sonho, que acordei feliz...

Palavras eternas de uma amiga passageira

2 comentários:

  1. Arrebatador!

    Lindo!

    Sensível!

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. oi vane vc é uma pessoa que tem bastante inspiracao poesia é uma coisa tao linda pq é um sentimento puro que encontrado alguma coisa material de inspiracao tb sai um coisa maravilhosa..continua assim que vc esta no caminho certo ta.parabens pelo talento que vc tem.. xau bjus do dani!

    ResponderExcluir